domingo, abril 29, 2012

Sem Palavras

foto tirada por mim
Porta fechada
janeiro/2012




Muito embora, durante a minha vida toda eu tenha sido uma tagarela e uma pessoa que sempre adorou as discussões, que sempre defendeu com palavras, algumas vezes ásperas, duras, certeiras aquilo em que acreditava, nos últimos tempos tenho meio que me esquivado das polêmicas e em geral tenho achado as discussões uma coisa um tanto tola.Talvez tenha-me tornado omissa ou simplesmente tenha desacreditado das palavras, das argumentações ... Porque me parece mais e mais a cada dia que as palavras tornam-se ineficazes e só fica mesmo aquilo que se faz. Embora elas possam ser impressas e lidas séculos depois, não se imprimem no coração ou no entendimento do ser humano com a força que os atos possuem.
Lembro-me de palavras fortes que aprendi na infância, mas o que as imprimiu no meu coração, no meu entendimento foi a força do olhar, do sorriso, da ternura, da moral, do caráter de quem as proferia. As palavras pelas palavras, as palavras vazias de sentimentos, ainda que de raiva, foram-se com o tempo que passa.
Tento ensinar e tento aprender, mas agora, cada vez mais com a força do meu testemunho. E por mais que muitos não percebam, ensinar é tão difícil quanto aprender. Porque o ensinamento verdadeiro só vem daquele que realmente aprendeu.
Tenho estado mais calada. Já não tenho toda aquela sede de expressão. E aliás, nem tenho sabido expressar-me. O violão tem permanecido mudo, a câmera largada, as mãos paradas como se já não quisessem escrever ou desenhar, ou qualquer outra coisa que possa partilhar minha alma. Ainda que eu esteja mais carinhosa, mais convicta de tantas coisas, tenho a impressão que um pedaço muito importante de mim se foi. Talvez uma confiança, uma ingenuidade, uma pureza de sentimentos que se perdeu,não sei ao certo.

Postar um comentário