quinta-feira, março 18, 2010

Tormentas

(foto tirada por mim: Fim de Tarde)
Tal qual a águia, no alto da montanha
Olho em volta à procura do infinito
Igual criança, que maltratada apanha
Minh’alma dilacera-se num grito!
***
E a alva da manhã me encontra ainda
Ungida de espera que não morre
Percebo, já quando a tarde finda
Que nada mais, minha esperança socorre!
***
Vem Zéfiro embalar-me, em cálida brisa
Tristeza,empurrada assim desliza,
Mas Eurus troveja sua sanha
E nova procela me arrebanha.
***
Logo vem a chuva das lamúrias(lágrimas)
Banhando suavemente minha alma
Mas quando penso que, enfim
Encontrei, a aguardada calma
Depressa Boreas sopra suas fúrias
Causando novamente frio em mim!
(Ivete kg.24.02.2010
Postar um comentário