quarta-feira, julho 04, 2007

VELHAS LUTAS

a igreja ainda é uma das maiores daquelas redondezas...

Era o ano de 1969 quando nos mudamos para a cidade de Ituporanga, vindos das Águas Frias, uma das pequenas localidades do município de Vidal Ramos. Para mim, assim como para minhas irmãs, agora estávamos numa “cidade grande”.
Tudo era novidade: a escola enorme onde fomos estudar , a igreja imensa que passamos a freqüentar, os tantos novos amigos que ganhamos... E continuamos ganhando muitos amigos, pois a cada ano nos mudávamos para uma casa diferente, quando não em menos tempo. Isso, para nós não era nenhum problema. Para mim, pelo contrário, era sempre um motivo a mais para novas descobertas. Em 1971 morávamos numa pequena casa á beira do Rio Perimbó. Eu tinha então dez anos e era uma menina razoavelmente solitária, a não ser pela companhia das minhas irmãs. Ali onde morávamos, não havia crianças na vizinhança. Só uma amiga de uma das minhas irmãs, mas ela morava do outro lado do rio. Nunca a esqueci. Costumávamos conversar com ela gritando de uma margem á outra... Já por aqueles tempos, lembro-me de mim mesma voltando da escola com uma rifa para vender. Apesar da minha vergonha eu vinha oferecendo a dita rifa a cada pessoa que encontrava na estrada. Ao chegar em casa, já havia vendido os dez números que me havia destinado a professora. E foi assim que acostumei: Mesmo com a vergonha enorme que eu sentia, fazia o que precisava ser feito, sem pedir ajuda a ninguém. Até hoje não sei se isto foi positivo ou negativo na minha vida. Se por um lado sempre enfrentei as lutas, por outro fiquei fechada em mim mesma.
Postar um comentário