domingo, julho 29, 2007

PARABÉNS!

Lembro-me perfeitamente dos dias que antecederam o grande momento do nascimento. Haviam sido meses difíceis, dias difíceis... E agora, naqueles últimos dias, aquele momento maravilhoso de lavar a alma, de buscar encontro. Encontro com quem estava dentro e com quem estava fora.
Lágrimas e sorrisos. Amor, amizade, carinho, cuidados. Aqueles três dias maravilhosos no Seminário São Francisco, rodeada de todo carinho comigo e “com a barriga”.
Nada faltou. Sobrou carinho, atenção, amizade. Lembro-me. Lembro-me de tudo entre lágrimas, sorrisos e saudades. Eu tinha vinte e cinco anos recém completados. E lá já se vão vinte e um de tudo isto. Figuras maravilhosas como Frei Nivaldo, que hoje já não esta no nosso meio. Pessoas que se perderam na distancia, na saudade. Outras que continuam na minha vida até hoje. Algumas, em presença física. Outros, através de e-mails ou telefonemas... Amigos que mesmo distantes, viverão na lembrança... E tudo isto para falar daquele dia, da última vez em que me tornei “mãe” e que recebi de Deus “aquele” presente. Uma carinha linda. Uma meninazinha que eu ainda não sabia, mas viera com os olhos verdes que eu tanto quisera. A amada afilhada da Cida, que me parecia que a esperava mais do que eu. E que talvez por isso, até hoje seja essa madrinha que ela ama tanto... E chegou o dia 29 de julho . E na hora marcada, 14hs, lá estava eu indo para a sala de parto. Uma cesariana com laqueadura de trompas. O momento da retirada, posso senti-lo ainda... A estranha sensação de puxarem “alguém” de dentro de ti. E de repente aquele serzinho frágil sendo colocado sobre teu peito... O coração disparado. Sensações que uma mãe carrega consigo pela vida afora... Momentos de puro júbilo. O bebê era lindo. E em tempos em que os ultra-sons eram incertos, distantes e coisa para muito poucos, o sexo de quem ia nascer era sempre uma surpresa. Para nós, que nunca cultivamos a necessidade de um filho do sexo masculino, mais uma vez a agradável surpresa de ser... Outra menina. O nome já estava escolhido há muito tempo, pela pequena família. Ao menos para menina. Se fosse menino? Acho que não saberíamos. Parece que pressentíamos outra menina. E foi a boneca que as irmãzinhas embalaram e brincaram nos próximos anos. A doce menina, com lindos cabelos encaracolados. A garotinha com pele de porcelana e uns olhinhos puxados que pareciam sorrir. Lá se foram vinte e um anos! Hoje , minha filha, minha menina já mulher, quero te falar do meu amor. Amor que nós duas conhecemos bem as dificuldades, mas que cada uma de nós sabe a intensidade. Hoje quero te dizer do quanto eu te amo e te desejar um aniversário lindo, uma vida linda. Hoje quero te dizer que a minha bonequinha de pernas e braços fofos cresceu. Mas que para mim será sempre aquela bonequinha amada de lindos cabelos encaracolados, com um delicado sorriso nos lábios e outro nos olhos.
Parabéns Baloo.
Um Feliz Aniversário,
com muito amor!
Postar um comentário